"Requalificação do Centro Histórico de Cascais e o desenvolvimento económico de Cascais" – Henrique Velez

Desde de finais dos anos 90 do século passado que não existe qualquer intervenção de fundo no centro histórico de Cascais.  A reabilitação da Av. Valbom e a requalificação profunda do mobiliário urbano existente, datam dessa época.

No entanto, tem-se assistido nos últimos anos ao crescimento de eventos (Festas do Mar e Lumina) que trazem para esta zona milhares e milhares de pessoas concentradas  num curto espaço de tempo. Este modelo que, ao contrário daquilo que alguns pensam, não se traduz num significativo aumento da atividade económica da vila de Cascais (basta pensar que qualquer estabelecimento, logo que tenha a sua capacidade máxima de satisfação de clientes atingida, não “ganha” nada em que existam milhares de pessoas ainda nas ruas – o seu limite foi atingido, ponto ), deverá ser repensado. Acresce que, no caso das Festas do Mar, se podem ainda colocar questões de segurança pois, se por ser ao ar livre permite a “entrada” ilimitada de pessoas, também tem, por outro lado, o inconveniente de uma das “saídas” ser o mar, ou seja, encontramos um aglomerado de muitos milhares de pessoas concentradas num espaço apenas com a possibilidade de, em caso de incidente, se poderem deslocar num sentido. Felizmente, apesar de um pequeno problema recente, tudo tem corrido pelo melhor. Mas esta questão deverá ser bem analisada.

Urge, portanto, intervir nesta zona e repensar a estratégia de desenvolvimento económico e turístico da vila de Cascais.

É para mim claro que é fundamental devolver a vivência do mar aos cascalenses e àqueles que nos visitam. A utilização da chamada esplanada dos pescadores apenas para eventos pontuais, demonstra o subaproveitamento a que tem sido sujeito um espaço que tem de ser considerado como nobre  em Cascais.  A instalação de equipamentos de elevada qualidade arquitetónica, amovíveis (tipo quiosque), com esplanadas , fariam uma frente mar muito apetecível, permitindo usufruir daquele espaço e vistas magníficas durante todo o ano. Aliás, isto mesmo está previsto no POOC de Cascais (Cidadela) – Forte S. Julião da Barra que entrou em vigor em finais de 1998…

A esta intervenção na “esplanada dos pescadores”, deverá acrescentar-se uma reestruturação da circulação do trânsito em Cascais, evitando aquelas filas intermináveis que tanto prejudicam os comerciantes e que, principalmente no Verão, se formam naquela zona. Simultaneamente, deverão ser instalados sinais dos parques de estacionamento existentes, ao longo dos diversos percursos, com informação sobre nº de lugares disponíveis ( a sinalização atual é claramente deficitária ).

Esta intervenção global (esplanada dos pescadores/trânsito/ sinalética), permitirá a existência de animação de rua diversa e de qualidade ao longo de todo o ano, a instalação de novas esplanadas, inclusivé em estabelecimentos já existentes, e ainda, atrair novos investidores para um comércio de qualidade. Por outro lado, eventos como as Festas do Mar deverão ser repensados no seu modelo e/ou relocalizados ( mas sempre em Cascais ).

Com estas medidas, Cascais ficaria de novo “virada” para o mar, desenvolver-se-ia a atividade económica e melhorar-se-ia a qualidade de vida dos cascalenses.